16 de fevereiro de 2010

Nesse domingo...

Em todo domingo alguns católicos vão à igreja. É muito raro eu não assistir a missa em um domingo. Então, nesse domingo agora, eu fui numa igreja que nunca tinha ido. Fica bem longe da minha casa. A igreja era daquelas que não terminaram a construção, devido isso ou aquilo. No altar os tijolos estavam todos a mostra, inclusive parte da fiação. Era bem simples mesmo. Logo que eu sentei no banco veio uma senhora me perguntar:
- Você gosta de ler?
Na mesma hora eu me perguntei se eu tinha cara de leitora, mas tudo bem. E como uma excelentíssima mineira eu respondi:
- Uai, gosto.
- Você pode ler a segunda leitura pra mim?
Minha boca quase caiu no chão.
- Posso sim.
Então eu fui ler a segunda leitura, que era da primeira carta de São Paulo aos Coríntios, para tentar não ler tudo errado, até porque é uma leitura um pouco complicada. Aquela senhora disse que eu teria que sentar no primeiro banco da esquerda depois que entrasse na frente do padre. E era para fazer as reverências igual fazia o cara que iria ler a primeira leitura.
Começou a missa. Havia só um jovem com sua guitarra azul fazendo o canto de entrada. Começaram a atravessar a igreja e eu fui atrás. De repente, surgiu aquele desesperadora vontade de rolar no chão de tanto rir. Porém, era uma vontade controlável. Eu juro que tentei contorcer a boca o menos possível. E ainda vi uma amiga arregalando os olhos com cara de o-que-você-está-fazendo-aí. Quando chegamos em frente ao altar eu só vi o dedo discreto do cara do meu lado apontando para que eu não esquecesse de me sentar no banco da esquerda e me perguntei se mais alguém havia visto o dedo discreto que eu vi. Então eu fui para o banco da esquerda e me sentei. Mas não era pra sentar. Se passaram 5 segundos até que eu percebesse isso e levantasse. Foi aí que eu resolvi imitar o cara da primeira leitura também na hora de sentar e levantar, não que eu não saiba quais são essas horas, mas eu queria ter mais segurança. Acredito que nesse domingo foi o que eu mais li a segunda leitura. Nem prestei atenção no começo da missa porque eu tava lendo parte da primeira carta de São Paulo aos Coríntios. Quando eu vi já estava na hora do salmo, que fica antes da II Leitura, meu coração quase saiu pela boca, mas ele acalmou na hora de ler. Fiquei até feliz porque não gaguejei em toda leitura. Depois disso eu ficava prestando atenção no moço que canta e toca a guitarra, que parece ser igual tocar violão, o que me deixou mais animada. A missa ocorreu normalmente até quando o padre estava dando seus avisos. Porque foi nessa hora que entrou na igreja uma senhora muito magra, aparentemente sem dentes e com um cheiro muito forte de nicotina. Ela foi até os pés do altar e pediu para o padre um hóstia. Eu pensei que alguém fosse tirá-la de lá. Mas o padre foi conversar com ela. Ele deu a comunhão para ela, que foi para o fundo da igreja. Depois disso o padre cantou os parabéns para um casal que estava lá. Essa senhora foi até os aniversariantes para cumprimentá-los. Depois o padre explicou que ela havia dito para ele que ela tinha perdido o horário da missa, que era a ultima do dia, e que ela queria comungar.
Acabou a missa. A senhora que havia me pedido para ler me agradeceu quase inaldivelmente sem olhar para mim. Então eu fui embora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário