25 de fevereiro de 2010

Soneto da fidelidade na versão de um jovem


Cara, pra mim, só vai existir o meu amor, saca?
Porque, tipo, se tiver na frente da minha mina
a coisa mais linda do mundo
Ela vai preferir ficar comigo.

Eu vou viver cada instante do meu amor, na maior viajem
Por ele eu vou cantar
Vou rir e chorar
Em maus lençóis ou na crista da onda, manja?

E assim eu vou vivendo sem esbarrar na
Morte, pedra no sapato de quem vive,
Ou na solidão, fim de quem ama.

Eu quero poder dizer do amor (que tive):
Que não precisa durar pra sempre
Mas que seja intenso e verdadeiro enquanto durar.

Um comentário: