3 de março de 2010

Entregador de comida chinesa - parte 1

Minha amiga estava naquele tempo em que dá aquele desespero para conseguir um namorado. Sério. Ela estava muito pirada. Sabe quantas imagens de santo Antônio ela tinha mergulhado num copo d'água? Seis. Porque seis era o máximo que ela queria ter. Vai que o santo resolvia arranjar seis namorados para ela? Pelo menos ela conseguiria um pra cada dia da semana com folga no domingo.

Um certo dia, ela começou a reparar que sua vizinha pedia comida chinesa diariamente e o entregador deixava tudo na casa dela exatamente as oito da noite. A partir desse dia ela sempre ia para janela ver o entregador chegar. E ficava super triste no domingo porque a vizinha chinesa jantava fora de casa. Um dia, que ela estava aqui em casa, esqueceu da hora. Ela passou a noite inteira se lamentando porque não viu o “gato, lindíssimo, deus grego, sarado, com covinha, dentes brancos, da cor do pecado, etc.” entregador de comida chinesa. Tive que ouvir até no outro dia que eu era a culpada por não ter avisado a ela que “ela” tinha que ter ido ver o entregador "dela".


Foi nesse dia que eu explodi de raiva. Era seis horas da tarde e ela estava praticamente em um estágio inicial de convulsão. Juro por Deus. Aí eu falei pra ela: “Olha aqui! Porque é que você não vai lá e fala com ele? Em que loja ele trabalha? Vamos ligar pra lá.” Mas é claro que eu tinha uma ideia. Ela virou uma estátua branca porque nunca tinha me visto falar com ela daquele jeito. Pra tudo tem sua primeira vez. E com muito custo, gaguejando, ela respondeu que não sabia.

Pegamos a lista telefônica. Haviam apenas oito estabelecimentos na lista da cidade. Ligamos para o mais próximo e fizemos o pedido para a mesma hora que ele fazia a entrega na vizinha. Se não fosse esse estabelacimento seria outro. O entregador gato dela chegou na vizinha primeiro. Eu senti o momento convulsão dela voltando. Então o cara simplesmente sobe na moto e vai saindo. Foi aí que tudo aconteceu. Virou a esquina o nosso entregador. Claro que não seria o entregador certo, ainda. Ele virou com tudo. E os dois entregadores se colidiram. Virou aquela bagunça. Foi moto pra um lado. Entregador pra outro. Comida para todos os lados. A vizinha deu aquele escândalo e a menina desmaia do meu lado. Seria o momento perfeito para se ter uma arma carregada na mão. Só não sei quem eu mataria primeiro.

Espere pelo próximo capítulo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário