1 de abril de 2010

Tranquei as portas



Tranquei as portas de minha casa. Tapei as fechaduras. Fechei as janelas. Está escuro. Ninguém vai me encontrar. Nem ela, minha princesa, que se casou com um artesão. Até meus pensamentos me deixaram. Estou sob proteção divina.

Adeus minha menina. Viajarei na garupa de minha amiga Déce. Porque somente ela poderá nos unir novamente.


Nenhum comentário:

Postar um comentário